quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Associação das Mastectomizadas comemora 16 anos

No dia 8 deste mês de março, a Associação Cearense das Mastectomizadas estará completando 16 anos de excelentes serviços prestados a mulheres que foram surpreendidas pelo câncer de mama. A entidade, cuja sede fica na rua Monsenhor Furtado, 919 (Rodolfo Teófilo), tem à frente a professora Marlene Pedrosa (foto), possuindo atualmente 420 mulheres cadastradas.

Marlene afirma que conheceu a ACM meio por acaso, em 1993, após ser submetida à cirurgia para retirar uma mama. Na época, parou de lecionar e, aos poucos, foi envolvendo-se com o projeto, passando a dedicar-lhe tempo integral a partir de 2002, quando foi eleita presidente. Hoje, em seu segundo mandato, ela coordena as atividades da casa, promovendo reuniões mensais, visitas hospitalares e domiciliares e cursos artesanais e profissionalizantes, contando, para isso, com apoio das associadas e outras voluntárias. "Nosso trabalho consiste em apoiar a mulher nesta fase, mesmo antes que ocorra a mastectomia. Nós procuramos ser transparentes e informar para que elas não fiquem tão assustadas", afirma a presidente, acrescentando que os encontros contam sempre com a presença de profissionais especializados em diversas áreas de atuação, que proferem palestras abordando temas de interesse das associadas.

Na sede funciona também uma oficina onde são confeccionadas próteses mamárias de silicone e polietileno, que são vendidas a preços simbólicos na lojinha como forma de ajudar na manutenção. Outra maneira de arrecadar fundos é o recolhimento de notas fiscais, que são enviadas à Secretaria da Fazenda em troca de 1% do valor arrecadado. Marlene e sua equipe estão organizando uma programação especial para festejar o 16º aniversário da Associação, ocasião em que será comemorado também o Dia Internacional da Mulher. Quem quiser conhecer este trabalho mais de perto, basta ligar para (85) 3223-8038. Doações: Banco do Brasil, agência 2925-4, conta 139647-1.

O QUE É MASTECTOMIA?
É a remoção cirúrgica da mama para tratar o tecido mamário doente, normalmente um câncer. Pode ser simples (quando a remoção é somente da mama), radical (quando são removidas a mama, linfonodos regionais, músculos, tecido adiposo e pele) e modificada (quando há a remoção da mama e de uma parte da musculatura).
O tipo de mastectomia vai depender do tipo e do tamanho do tumor, da velocidade de disseminação das células cancerosas e do estado geral da paciente. Geralmente, o implante de mama (prótese) pode ser realizado na época da cirurgia, exceto em casos de mastectomia radical.
Normalmente, o câncer de mama é descoberto por meio da palpação, mamografia ou observação de alteração da aparência da mama (crespas, enrugadas). Se o tumor for diagnosticado precocemente, enquanto ainda está pequeno e não houve disseminação, recomenda-se apenas a remoção da mama (extração do nódulo) e a radioterapia. Antes de submeter-se a uma mastectomia radical, é aconselhável consultar outros médicos.

Fonte: www.adam.sertaoggi.com.br

Um comentário:

Elza - Benfica disse...

Parabéns pela matéria. Um verdadeiro serviço de utilidade pública.
Um abraço