terça-feira, 28 de outubro de 2014

Dando a volta por cima

                  
      Brenda Lima (foto) está de volta aos palcos! A cantora, que nasceu no Parque Araxá e já brilhou como líder e/ou back-vocal de várias bandas de forró por aí afora, passou uns meses parada, por conta do tratamento de um câncer de mama, mas agora se mostra disposta a retomar a carreira se apresentando em eventos particulares (festas de casamento, aniversários e outros tipos de confraternização). 
     Brenda diz que a inclinação para a música vem desde a infância. Porém, só começou a aparecer para o público com 17 anos de idade, participando de um programa de calouros que tinha à frente o radialista Eduardo Praciano, na Praça José de Alencar. “Depois daí, como gostava muito de cantar forró, fui convidada para me apresentar em várias bandas, das quais posso destacar a Sabor de Queijo e Casadões do Forró, de Fortaleza, e a Banda Desejo, de Aracaju (Sergipe). Aí comecei a me cansar das muitas viagens que a gente era obrigada a fazer pelo Nordeste inteiro, e nos últimos cinco anos enveredei por bandas de baile, com um repertório mais eclético, valorizando clássicos da MPB”, afirma.
     Recentemente, Brenda Lima descobriu que estava com câncer de mama e mesmo assim continuou cantando. “Tive sorte de iniciar o tratamento o mais breve possível. Só parei de cantar para fazer a cirurgia, que foi feita em abril deste ano”, ressalta ela, acrescentando que hoje se sente curada, necessitando apenas do acompanhamento médico necessário após a intervenção cirúrgica para retirada da mama.
     Brenda já está se apresentando novamente e aceita convites para cantar em eventos particulares. “Posso ir só com um tecladista, com um quarteto ou até mesmo com a banda completa. Depende da estrutura da festa.” Seus fones de contato são (85) 8930.2285 e 9749.3797. Tem também sua página pessoal no Facebook, cujo endereço é brendalima/facebook.com.
     Ela faz questão de aproveitar este espaço para falar um pouco sobre câncer de mama. “Descobrir que está com essa doença é um momento doloroso para qualquer mulher. O preconceito da sociedade é muito grande. Muita gente até evita falar no nome da doença com medo de contrair. Mas, se por acaso, alguém for diagnosticado, o caminho mais correto é partir para o tratamento o mais breve possível, saber que hoje em dia câncer tem cura. Com muita fé em Deus, e apoio da família, que é fundamental, existem grandes chances de a pessoa continuar vivendo normalmente.” 
     (Matéria a ser publicada na próxima edição do JPA)

Um comentário:

dupuy ana paula disse...

Essa é a Brenda que eu conheço, uma guerreira.